DISSERTAÇÕES E TESES DEFENDIDAS

Seguem as dissertações de mestrado e as teses de doutorado defendidas no âmbito das pesquisas realizadas pelos grupos de estudos vinculados ao NEPEFE/FE/UFG.

 

  • 16/08/2022

Dissertação de Mestrado:

"Do filisteu ao artista: a crítica da educação em Nietzsche e a produção cultural na escola de nosso tempo"

Mestre: Janaína Cordeiro Campos Ribeiro de Feitas

Banca:

  • Prof. Dr. Wilson Alves de Paiva - PPGE/FE/UFG
  • Prof. Dr. Márcio Penna Corte Real - PPGE/FE/UFG
  • Prof. Dr. Ricardo Bazilio Dalla Vecchia - FAFIL/UFG.

 Banca

Resumo: Estudo acerca da crítica do polímata alemão Friedrich Nietzsche à decadência cultural na Alemanha e dos estabelecimentos educacionais, enquanto instituições de formação humana. A questão central nesta pesquisa consiste em trazer para a atualidade a permanência dos filisteus da cultura nos estabelecimentos de ensino, eis que, como denunciado por Nietzsche, há pelo menos um século e meio, não existe muito esforço do educador na compreensão da máxima “tornar-se o que se é”, por meio de uma nova educação, que priorize as individualidades e potencialidades do estudante e que possibilite o nascimento de artistas geniais.

 

  • 30/08/2022

Dissertação de Mestrado:

"A liberdade de gritar: 'o veneno como remédio' no processo da educabilidade das paixões no contexto das torcidas organizadas de futebol"

Mestre: Gustavo Henrique Alves de Lima

Banca:

  • Prof. Dr. Wilson Alves de Paiva - PPGE/FE/UFG
  • Profa. Dra. Solange Martins Oliveira Magalhães - PPGE/FE/UFG
  • Prof. Dr. Sebastião Carlos Ferreira de Almeida - UEG.

Gus

Resumo:A hipótese do trabalho é que a “liberdade de gritar” advém dos impulsos agressivos (necessidade de agredir) que podem ser provocados a partir do afloramento da paixão do amor-próprio. Porém, em vez de extirpar essa paixão, o que se pode aprender de Rousseau é que ela pode ser trabalhada como “remédio”, desde que regrada, limitada e permitida dentro das regras gerais de convivência. A dissertação se estrutura em duas partes: o Capítulo 1 da Primeira Parte tem como pilar epistemológico Husserl e o Capítulo 2 tem Bourdieu como foco; o Capítulo 1 da Segunda Parte busca explorar mais o fenômeno Torcidas Organizadas, com aporte antropológico de Toledo e o Capítulo 2 dedica-se a Rousseau, tentando abstrair a ideia do “veneno como remédio”, a fim de empregá-lo ao fenômeno das Torcidas Organizadas.